fbpx

Óleos Essenciais

Os óleos essenciais são os principais componentes odoríferos de uma planta. Voláteis, porque evaporam quando expostos ao ar. Podem ser chamados de voláteis, refringentes, etéreos ou essenciais, este último termo mais usado corriqueiramente. As plantas têm odores próprios em densidade menor que o da água, alto índice de refração, são sensíveis à luz e ao ar, fazem parte do metabolismo secundário da planta, como um subproduto. São substâncias complexas, de poder volátil e fragrância variável, proveniente das folhas, flores, talos, caule, haste, pecíolo, casca, raízes ou outro elemento, produzidos por muitas plantas, em especial as lauráceas, mirtáceas, labiadas, compostas, rutáceas, umbelíferas, etc.; constituído por centenas de substâncias químicas, como álcoois, aldeídos, ésteres, fenóis e hidrocarbonetos.

As plantas aromáticas são assim denominadas porque armazenam óleos essenciais em células secretoras individuais ou formando estruturas como dutos ou canais, tricomas glandulares e outras, distribuindo essas estruturas por toda a planta. Geralmente são fluidos, podendo se solidificar em temperaturas mais baixas. Quanto a coloração, variam de incolores a fortemente dourados escuros, passando por nuances esverdeadas, âmbar e amareladas como os óleos essenciais de patchouli, laranja e zimbro. E azul da camomila alemã, única nesse tom por uma substância chamada bisabolol.

Os óleos essenciais são altamente concentrados, porque contém a verdadeira essência proveniente da planta, por isso uma pequena quantidade proporciona um grande resultado. Essa concentração faz parte do controle genético da planta produzida por estímulos do meio ambiente em que se encontra, fatores climáticos como plantas do deserto; exposições de microrganismos, insetos, herbívoros e poluentes. A produção de óleo essencial depende de cada planta e suas partes mais exploradas, variando de 0,005% (pétalas de flores) a 10% (casca de cítricos), dependendo da planta. O uso da palavra “óleo” não corresponde exatamente ao material colhido na destilação, são líquidos untuosos diferentes dos ácidos graxos retirados das plantas vegetais prensadas a frio. Diferem-se destes por sua alto volatilidade. Mas misturam-se perfeitamente com os óleos vegetais graxos, como ceras e gorduras.

Os óleos essenciais geralmente são diluídos em álcool de cereais e outros solventes orgânicos. Óleos essenciais orgânicos diferenciam-se pela qualidade, pureza, por estarem inseridos diretamente na natureza sem conter resíduos de pesticidas. A terapeuticidade dos óleos essenciais é atribuída a sua complexidade química que difere dos produtos sintéticos fabricados em laboratório copiando a química da planta, mas não alcançando sua variedade de compostos químicos, que abrangem todos os sistemas do nosso corpo.

Sônia Corazza – Aromacologia – uma ciência de muitos cheiros -3ª edição

Óleos Vegetais

Óleos vegetais, ou carreadores, são aqueles prensados a frio, como oliva, amêndoas doces, castanhas, gergelim, soja, girassol, linhaça, abacate. Podem se apresentar como cera liquida, exemplo: óleo de jojoba. Alguns se apresentam como manteiga como o coco da Bahia, o cacau, manga, cuapuçu, murumuru, karité e muitas outras sementes do Sertão e Norte do Brasil.

Esses óleos e manteigas carreadoras são ricos em emolientes, substâncias que mantém a suavidade, lisura e flexibilidade da pele, exercendo um efeito protetor contra a secura e a irritação, formando uma camada protetora que impede a perda de umidade dérmica. O processo de extração é fundamental para garantir suas propriedades e características. Muitos óleos comercializados no varejo passam pela indústria em processos químicos perdendo o efeito terapêutico.

Óleos minerais derivados de petróleo não são usados na aromaterapia, pois não permitem a absorção do óleo essencial no interior das células (derme). Com os óleos vegetais precisamos ter um cuidado maior ainda, pois eles rancificam rapidamente, entram em processo de decomposição de ácidos graxos na presença de ar, luz e umidade.  Quanto mais insaturado, maior a possibilidade de se tornar rançoso. Muita atenção na hora de comprar um óleo de flores e sementes como rosa mosqueta, semente de uva, borragem, prímula, germe de trigo. São raros e de rendimento extremamente pequeno, por isso muito caros.

Dosagem para massagens:

Em um frasco de 50 ml usar aproximadamente 20 gotas de óleo essencial. Assim teremos um percentual aceitável para todos os tipos de pele, tanto de crianças, como de pessoas da 3ª e quarta 4ª idade, nas quais os cuidados devem ser redobrados, principalmente quando do uso de medicamentos alopáticos, porque existe sempre a interação da química dos óleos essenciais na química dos medicamentos alopáticos reduzindo seu potencial ou aumentando a potência deste.

Ex.: benzodiazepínicos, como controladores da depressão e insônia. E muito cuidado com quem usa anticoagulantes (Varfarina).

Essências Sintéticas

Essência para aromatizar a casa, sem nenhum efeito terapêutico.

A indústria da perfumaria sintética cresceu muito nas últimas décadas. Aproveitando a carona com a aromaterapia, produzem cópias sintéticas de aromas das flores, vegetais e até de cascas e madeiras em geral. Geralmente fazem indicação como se fosse aromaterapia, mas é um grande engodo. Isto leva a população a uma descrença nos tratamentos com as potencialidades medicinais dos óleos essenciais.

Alguns laboratórios até aproveitam parte das plantas fazendo adulterações e falsificações, isolando apenas um princípio ativo, onde se perde o composto orgânico que tem ação de combater as doenças. Esses princípios ativos de aroma servem apenas para a perfumaria numa outra composição, muitas vezes com outras matérias-primas sintetizadas. Perfume é para um mercado supérfluo que não leva em conta as propriedades medicinais de primeira necessidade. Na verdade, um produto sintético pode, em vez de tratar, causar intoxicações ou resultados adversos, como alergias.

Para uso farmacêutico, somente os naturais são permitidos em uma farmacopeia. Exceções são alguns constituintes químicos isolados, como a vanilina da baunilha, o timol do tomilho ou o mentol da hortelã pimenta. A principal diferença entre o produto natural e o sintético está na presença de certos princípios ativos. Para avaliar a constituição química de um óleo, ele é encaminhado a um laboratório para ser feita a sua análise por cromatografia. Na cromatografia temos condições de saber quais os constituintes químicos presentes numa substância, mas não temos como dizer com certeza se é 100% pura. Por exemplo, podemos ter uma análise de óleo de lavanda, que geralmente apresenta mais de 100 constituintes químicos no total. Um equivalente sintético geralmente terá poucos. Mas mesmo naquele óleo natural, poderia ter sido adicionado acetato de linalila sintético, o que não é possível saber por nenhum método de análise, a não ser que a porcentagem seja muito elevada, o suficiente para denotar uma adulteração.

Produtos sintéticos também vêm em vidrinhos escuros de 10 e 20 ml, mas são mera perfumaria ambiental.

Cosméticos Naturais e Orgânicos

De acordo com relatório do Sebrae, os cosméticos naturais não devem conter aditivos químicos em sua composição. Para o Instituto Biodinâmico (IBD) e para a Ecocert, os cosméticos naturais devem possuir matérias-primas naturais e não podem conter alguns elementos em suas fórmulas:

Matérias-primas proibidas: corantes sintéticos, aromas e fragrâncias sintéticas, derivados do propileno, amônia, silicone, conservantes sintéticos, dietanolamidas, derivados do petróleo, moléculas geneticamente modificadas, insumos testados em animais (sofrimento animal).

Matérias-primas permitidas: manteigas vegetais, óleos vegetais, lanolina, corantes naturais, óleos essenciais, extratos vegetais e minerais (argilas) e polímeros naturais (amidos).

Produtos de base natural

Esses cosméticos são amplamente difundidos no mercado porque são produtos fabricados de modo convencional, mas que possuem em sua formulação uma porcentagem de ingredientes naturais. Eles contêm as matérias-primas que são proibidas para os cosméticos naturais e uma ou outra matéria-prima permitida para produtos naturais. O problema que envolve a comercialização destes cosméticos está no fato de que muitos são anunciados como 100% naturais. Alguns podem até conter selos do IBD ou da Ecocert porque estão utilizando na composição do cosmético um ingrediente que é certificado, ou por ser natural ou por ser orgânico, mas isso não confere ao cosmético a propriedade de ser natural.

Cosméticos Orgânicos

Segundo o IBD, existem os cosméticos orgânicos e os cosméticos feitos com matérias-primas orgânicas. Os cosméticos orgânicos devem possuir, no mínimo, 95% de matérias-primas certificadas como orgânicas. Os 5% restantes podem ser compostos por água e por outras matérias-primas naturais. A Ecocert segue esses mesmos princípios de definição de um cosmético orgânico. Já os cosméticos feitos com matérias-primas orgânicas devem possuir, no mínimo, 70% e, no máximo, 95% matérias-primas certificadas como orgânicas.

A Ecocert define que os cosméticos naturais podem ter, no mínimo 95%, do conteúdo total de matérias-primas naturais. Os outros 5% podem ser constituídos por substâncias sintéticas listadas pela certificadora, mas que não estão inseridas nas matérias-primas proibidas para cosméticos naturais.

Então, para saber se o cosmético é natural, verifique a ausência dos ingredientes proibidos listados anteriormente. Se ele apresentar o selo IBD – Ingredientes Naturais ou o selo Ecocert, é mais um fator de confiança de que ele é realmente um cosmético natural.

Fonte.

Difusores Elétricos

São aparelhos de difusão dos óleos essenciais no tratamento aromaterapêutico. As moléculas dos óleos essenciais são difundidas no ambiente tratando as pessoas que estão no local, seja em casa, no escritório ou até mesmo na loja, como é usado aqui na Flor de Louro. Em casa pode ser usado de acordo com cada ambiente, na sala e cozinha, por exemplo, um óleo essencial de cítricos, como laranja, ou especiarias, como a canela, estimulam o início do dia, trazendo alegria, estimulação dos sistemas digestivos, circulatório, trazendo vontade de trabalhar de forma alegre e entusiástica pela vida. Siga nossas receitas em dicas e receitas.

Os difusores elétricos também podem ser ionizadores e umidificadores dos ambientes. Neste caso pode-se usar um óleo fungicida e tratar não só as pessoas, mas o ambiente também.

Difusores elétricos simples que aquecem, apenas difundem as moléculas do óleo essencial em tempo menor de tratamento, mas também eficiente quando mais próximo das pessoas que estão inalando, em ambientes pequenos.

Muitos possuem luz, proporcionando uma iluminação suave no ambiente e alguns possuem a troca de cores criando a oportunidade de se fazer cromoterapia como associação das terapias alternativas.

Colar Difusor

Forma de tratamento para inalação de óleos essenciais, com o aquecimento junto do peito, pois temos um calor maior nessa parte do corpo e que ajuda na difusão dos óleos essenciais.

Modelos são dos mais variados, em cerâmica ou metal. É uma forma mais eficiente de tratamento e muito mais rápido que usar óleo essencial no difusor de ambiente.

O ser humano aspira o óleo essencial, que é absorvido pelos nervos olfativos, indo diretamente para o cérebro, onde atinge a região do hipocampo, relacionada ao comportamento, à memória e à emoção. Desta forma, os óleos essenciais são muito indicados no tratamento de doenças psicossomáticas oriundas de distúrbios psicológicos. Depois, atinge outra região do sistema nervoso, o sistema límbico. Os aromas seguem três regiões: o hipotálamo, que controla a agressividade e os impulsos motivacionais, entre tantos outros; a glândula pituitária, que tem ação direta sobre as glândulas suprarrenais; e as glândulas sexuais.

Desta forma rápida, a composição química dos óleos essenciais também ajuda a aumentar a circulação periférica do corpo. Eles têm o poder de alterar o comportamento da circulação sanguínea, do aparelho digestivo, do aparelho urinário, do sistema cardiovascular, do sistema pulmonar e ainda a secreção dos hormônios.

A amplitude de efeitos no organismo humano, bem como a abrangência de possibilidades de tratamento, sem os inconvenientes normalmente apresentados pelos quimioterápicos, faz da aromaterapia uma prática cada vez mais adotada por médicos e terapeutas. Em consequência, os óleos essenciais, na forma concentrada, exigem muita cautela, pois podem também causar sérios danos quando usados de forma incorreta, tendo em vista o seu amplo espectro de ação.

Incensos

Incenso, do latim: incendere, significa queimar, é composto por materiais aromáticos chamados bióticos (originado por seres vivos – no caso, plantas) que liberam fumaça perfumada quando queimados. O “incenso” refere-se à substância em si, mais do que o cheiro que ela produz. Ele é usado em cerimônias religiosas, rituais de purificação e meditação, para a criação de um estado elevado de energia. O uso do incenso se originou no Antigo Egito, onde as resinas de goma e resinas oleosas de árvores aromáticas foram importadas das costas da Arábia e Somália para serem usadas em cerimônias religiosas.

O incenso foi usado por culturas chinesas desde os tempos neolíticos e seu uso tornou-se mais difundido durante as dinastias Xia, Shang e Zhou. O primeiro exemplo documentado formal de sua utilização vem de quando usaram incenso composto de ervas e produtos vegetais (como cássia, canela, styrax, sândalo, entre outros) como um componente de ritos cerimoniais. Eventualmente, os hindus adotam o uso do incenso, adaptando a formulação para abranger raízes aromáticas e outros componentes da flora indiana. Esta é a principal razão pela qual os incensos indianos são considerados mais perfumados que os chineses.

O incenso é composto por materiais provenientes de plantas aromáticas, muitas vezes combinados com óleos essenciais. As formas do incenso têm mudado com os avanços da tecnologia, as diferenças de cultura subjacente, e com a diversidade nas razões para queimá-lo. Os dois principais tipos geralmente podem ser divididos em “queima indireta” e “queima direta”. O incenso de queima indireta, também chamado de “incenso não-combustível”, requer uma fonte separada de calor, uma vez que não é capaz de queimar-se. O incenso de queima direta, também chamado de “incenso combustível”, é aceso diretamente por uma chama e depois se espalha, a brasa do incenso irá arder e liberar a fragrância. Exemplos de incenso de queima direta são as varas de incenso (incenso), cones ou pirâmides.

Nos rituais da Igreja Católica, o uso do incenso, assim como de tantos outros elementos que envolvem os sentidos humanos, tem embasamento em passagens bíblicas como “Apresente-se a minha oração como incenso diante de ti…” (Salmos 141:2) e em “Subiu o fumo do incenso com as orações dos santos da mão do anjo diante de Deus” (Apocalipse 8:4). Dessa forma, o propósito primígeno do uso do incenso na missa é simbolizar as orações dos fiéis se elevando a Deus. Ou seja, o uso do incenso é um símbolo de oração. O ritual mosaico empregava o incenso em muitos sacrifícios, só ou com outros perfumes; havia também o altar dos perfumes em que se queimava incenso de manhã e de tarde. Os cristãos adotaram cedo o uso do incenso. Em Jerusalém, no século IV, já se empregava em todos os grandes Ofícios.

Outra passagem bíblica que remete ao incenso, se dá em Mateus 2:11, na qual o incenso foi um dos presentes dado ao menino Jesus por um dos três reis magos quando de seu nascimento: “entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, adoraram-no; e abrindo os seus cofres, fizeram-lhe ofertas de ouro, incenso e mirra.”

O recipiente em que se queima o incenso é chamado incensário ou turíbulo.

Suplementos Vitamínicos

O objetivo destes suplementos é complementar a carência de alguns nutrientes que nosso organismo necessita. Médicos e nutricionistas são unânimes ao dizer que a suplementação não deve substituir a ingestão de frutas, legumes e verduras. O próprio nome “suplementar” já sugere que a ingestão das vitaminas deve ser adicional, ou seja, como um complemento na dieta do indivíduo.

Se bem aplicados, os suplementos vitamínicos melhoram a produtividade nas atividades do dia a dia, além de dar mais ânimo no trabalho e nas atividades físicas. Todas as pessoas podem tomar suplementos vitamínicos, desde que seja recomendado por um especialista.

Vitaminas são nutrientes essenciais que nosso corpo não produz, mas que são necessárias para que ele continue funcionando corretamente, portanto devem ser obtidos pela alimentação. Conheça um pouco sobre elas para entender suas funções:

Vitamina A

Ela é fundamental para o crescimento dos ossos, desenvolvimento e manutenção do tecido epitelial (tecido externo). É responsável pelo aumento da imunidade e necessária para combater ações antioxidantes. Ela é encontrada em alimentos amarelos e alaranjados, folhas verdes escuras e em alimentos de origem animal é encontrada sob a forma de retinol.

Vitamina B1

Necessária para proteger o sistema nervoso, abre o apetite e auxilia no funcionamento dos músculos e do coração. Ela é encontrada no feijão, nozes, batata, carnes, banana e mamão.

Vitamina B2

Ajuda na digestão de carboidratos, proteínas e gorduras, além de ser boa para a pele e olhos. Está presente no arroz, leite, couve, ervilha, tomate e abacate.

Vitamina B6

Importante no processamento de carboidratos e aminoácidos não essenciais. É encontrada na carne branca, laranja, amendoim, soja, abacate e maçã.

Vitamina B12

Auxilia a formação de glóbulos vermelhos, protege o sistema nervoso, a pele, os olhos e o fígado. Presente no leite, carnes, frutos do mar, ovos e cereais integrais.

Vitamina C

Mantém a integridade dos vasos sanguíneos e auxilia na saúde dos dentes. Está presente em frutas cítricas, tomate, couve e pimentão.

Vitamina D

Auxilia pessoas que tem dificuldades para dormir e ajuda o organismo a absorver o cálcio. Presente em vegetais, iogurtes, carnes e gema de ovo.

Vitamina E

Auxilia mulheres a prevenirem o aborto espontâneo, além de atuar na saúde dos nervos e músculos involuntários. Está presente em carnes magras, laticínios e gema de ovos.

Vitamina K

Ajuda na coagulação sanguínea, contribuindo para o estancamento de sangramentos e acelerando a cicatrização. Presente no leite, fígado, batata e tomate.

Todo mundo pode precisar tomar suplementos em alguma fase da vida, seja por motivo de doença ou deficiência momentânea de saúde, mas com orientação de um profissional de saúde. Atletas e pessoas que praticam exercício com certa regularidade também entram na lista de pessoas que precisam de suplementos, já que muitas vezes estes não conseguem repor os nutrientes apenas com a alimentação.

Perfumes Naturais

Com um pouco de prática e perseverança você também poderá criar um perfume memorável!

O perfume pode ser um dos itens de beleza mais dispendiosos, mas também dos mais marcantes. Ao longo do tempo, o perfume tornou-se numa arte apaixonante da mistura, que é capaz de produzir aromas que sustentam as nossas fantasias.

O ser humano tem uma enorme capacidade de armazenar na sua memória milhares de aromas, por isso é que cada perfume nos pode recordar uma pessoa ou um momento especial.

Se está pensando em criar o seu próprio perfume, para usar ou vender, o ideal é começar por uma simples água de colônia. Desta forma, poderá criar o seu perfume perfeito, de acordo com o aroma que desejar. Para isso, experimente e continue experimentando até conseguir obter o aroma desejado.

Óleos essenciais e os seus cuidados

Os óleos essenciais são fundamentais para criar um perfume, mas se você não tem o conhecimento necessário sobre eles e sobre os riscos associados à sua utilização incorreta, o ideal é informar-se com um profissional, numa ervanária ou no local de compra, como aqui na A Flor de Louro.

Neste endereço terá uma orientação para a fabricação de seu perfume.

https://perfumeperfeito.com/artigos/como-fazer-perfume-casa

Ou fazer cursos com um bom perfumista, no Brasil busque cursos com: https://www.facebook.com/ane.walsh

Livros

Os livros disponibilizados em nossa loja são da Editora Laszlo. A Laszlo é a empresa no ramo de Aromaterapia, no Brasil, com a maior diversidade de produtos e que detém o maior know how na área. “Conhecimento é o nosso principal diferencial, pois, através deste, somos capazes de desenvolver produtos únicos, trazer ao mercado sempre o que há de mais novo, mantendo sempre um alto padrão de qualidade. Temos uma rigorosa seleção dos produtos comercializados e o cuidado na forma como estes são rotulados e embalados, contendo informações imprescindíveis para seu uso adequado, como quimiotipos, geotipos, composição química baseada em cromatografias realizadas em universidades federais que garantem ser o produto 100% puro.”

Além disso, a Laszlo possui em comércio mais de 300 óleos essenciais 100% puros, se destacando também por disponibilizar ao mercado óleos essenciais obtidos via CO2 hipercrítico (os que possuem óleo essencial mais similar ao da planta) e mais de 50 óleos essenciais de plantas exclusivamente brasileiras, além de possuir uma escola própria de ensino (IBRA) da ciência da Aromatologia, mantendo convênios e parcerias com escolas e centros de pesquisa em outros países.

Fonte: http://laszlo.ind.br/

Enviar mensagem
Dúvidas?